[ editar artigo]

O Desafio da Captação de Recursos no Contexto Missionário

O Desafio da Captação de Recursos no Contexto Missionário

Estamos às vésperas do Dia de Doar, uma campanha global que começou em 2012 nos Estados Unidos, com o nome Giving Tuesday (Terça-feira da Doação - tradução livre), e que, atualmente, reúne mais de 72 países sob um único tema: a generosidade.

Como missionário e captador de recursos, é quase impossível não fazer algumas reflexões entre o referido evento e a desafiadora atividade da mobilização de recursos no contexto dos trabalhos missionários, onde algumas comparações não podem deixar de serem observadas.

Pra você ter ideia, neste ano de 2020, a sociedade brasileira doou mais de R$ 6 bilhões de reais para ações de combate ao COVID-19, mobilizando mais de 580 mil doadores, entre empresas e instituições do terceiro setor. (ABCR, 2020)

Por outro lado, neste mesmo ano de 2020, igrejas e trabalhos missionários foram surpreendidos com uma real queda nas arrecadações das comunidades, e redução nos orçamentos financeiros.

Cerca de 70% das organizações brasileiras foram impactadas negativamente pela pandemia de COVID-19 (Mobiliza, 2020),tendo reduções significativas das receitas, sem falar no cenário de que que mais da metade das igrejas não tinham um fundo reserva para essas situações emergenciais, como  esses que temos vivido. (Invisible College, 2020)

O que pensar, então, o vocacionado que, tendo uma visão clara do que Deus deseja realizar através de sua vida, se depara com tamanho desafio da mobilização de recursos imposto a ele? Porventura nosso Deus se detém em apenas relevar sua vontade para que todos se salvem, sem também se preocupar com os meios para que isso ocorra?

Certamente a resposta para essa última pergunta é não. Nosso Deus se preocupa não apenas em compartilhar do seu desejo para que todos se salvem, mas também em disponibilizar meios para que tais planos sejam concretizados.

Recordo-me de Davi, em seu desejo de construir um templo para o Senhor, sendo que lhe foram conferidos em seu coração tudo o que deveria ser feito pelo Espírito (1Cr 28.12), demonstrando que temos um Deus de projetos, um Deus organizado.

Nesse contexto, diante de um desafio gigantesco para viabilizar aquela construção, Davi inicia o processo de captação de recursos junto ao seu próprio povo, que responde positivamente ao desafio daquele grande empreendimento.

Algo muito significativo nós podemos aprender, como missionários e mobilizadores de recursos, é que mesmo em meio a um contexto econômico desafiador da igreja, os projetos de Deus continuarão a serem executados.

Não podemos deixarmos sermos abatidos por notícias ruins, por rumores que certamente nos desanimam e contaminam o seio da igreja, minando a sua fé e dependência plena do Senhor.

Sendo um homem segundo o coração de Deus e, atuando como um bom captador de recursos, Davi mobiliza todo o povo que contribuiu generosamente para aquela causa, viabilizando aquele ousado plano.

Estamos cientes de que o Brasil precisa muito avançar no desenvolvimento de uma cultura de doação e generosidade, isso porque ocupamos a posição de número 74 num total de 126 países relacionados.

Nossos irmãos e irmãs, pastores e líderes ainda precisam permitir-se serem trabalhados pelo poder da palavra e do Espírito Santo quando o assunto é dinheiro, e isso ocorrerá por meio de nós missionários.

Somos porta-vozes da palavra transformadora que permite o povo de Deus enxergar o quanto podemos ser decisivos e relevantes no fortalecimento e desenvolvimento do trabalho missionário no Brasil.

Deus deseja usar missionários e missionárias para desafiar a igreja a olhar para a obra como co-responsáveis, como parceiros (lembrando da tradução em inglês partner = sócio).

E por fim, precisamos levar a verdade sobre os recursos: todos eles pertencem a Deus, conforme dito pelo próprio Davi, ao final de sua campanha de mobilização bem sucedida: “Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos.” (1 Crônicas 29:14)

Que sejamos encorajados a prosseguir na visão que Deus nos confiou. Que tenhamos a certeza de que, embora mobilizar recursos seja uma atividade bem desafiadora no trabalho missionário, Deus deseja desenvolver nossa fé e plena dependência dele, o Deus de Todo Recurso.

Deus abençoe!

Captação de Recursos

Projeto Mazi
Rafael Bandeira
Rafael Bandeira Seguir

Administrador, MBA em gestão financeira, mestre em políticas públicas. Presidente Executivo do Fundo Brasileiro para Missões, é professor e consultor em captação de recursos para organizações cristãs. Autor do livro "O Deus de Todo Recurso".

Ler conteúdo completo
Indicados para você