[ editar artigo]

Graça

Graça

 

Cinco maneiras pelas quais viver na graça impacta nossa liderança e relacionamentos

Existem poucas questões mais importantes para nós pessoalmente ou em nossa liderança do que uma compreensão adequada da graça. Nosso entendimento ou falta dele tem implicações significativas em como lideramos, como respondemos e interagimos com os outros. É uma daquelas áreas onde a teologia e a prática se cruzam de maneiras importantes.


Primeiro, os líderes que entendem e vivem na graça não precisam provar nada a Deus ou aos outros. Se eu viver na graça, não preciso me preocupar em estar errado nem preciso viver na defensiva. Muitos líderes na arena cristã estão mais preocupados em provar que podem ter sucesso do que em servir a Jesus. A graça nos liberta da necessidade de provar qualquer coisa a Deus ou aos outros e, portanto, nos permite viver em liberdade.

Em segundo lugar, os líderes que entendem e vivem na graça não precisam buscar a perfeição, que na verdade se trata de provar algo aos outros. Eles podem descansar no fato de que Deus está no controle e enquanto fazemos o melhor que podemos, podemos deixar os resultados para Deus. Semeamos e regamos, mas somente Deus pode dar a colheita. Sem a graça, os líderes sentem que precisam produzir resultados. Viver na graça nos permite descansar Nele, fazer as coisas certas e confiar Nele para resultados transformacionais.

Terceiro, os líderes que entendem e vivem na graça são capazes de estender graça e compreensão a sua equipe. Esta não é uma desculpa para permitir um trabalho de má qualidade. É uma postura de querer o melhor para os outros e estender a mesma graça que Jesus nos concede. Líderes rudes simplesmente não entendem a graça. Pense no Fruto do Espírito e você terá uma ideia de como a graça se parece nos relacionamentos.

Quarto, os líderes que entendem e vivem na graça criam uma cultura da graça em suas equipes e organizações. A cultura de uma organização costuma ser um reflexo direto da própria saúde espiritual e emocional do líder. Culturas legalistas ou hostis simplesmente refletem o ethos de sua liderança. Onde um líder entende e vive na graça, ele cria essa cultura em sua organização.

Quinto, os líderes que entendem e vivem na graça criam culturas onde não há medo do diálogo franco e de opiniões diversas, porque a graça nos permite viver com uma atitude "Nada a provar e Nada a perder". Sem defesa, podemos convidar ao diálogo honesto, lidar com "elefantes brancos na sala" e criar uma cultura de graça e verdade. 

Eu acho que existem muitas outras implicações de uma vida de graça. O que eu sei é que os líderes que entendem e vivem na graça criam culturas saudáveis ​​e aqueles que não o fazem.

Escrito por TJ Addington, traduzido e adaptado por Paulo Feniman

Projeto Mazi
Ler conteúdo completo
Indicados para você